Bullet Journal

Eu sempre fui uma pessoa tendencialmente organizada.
Eu sempre adorei papel, cadernos, agendas, canetas coloridas, marcadores, e materiais de papelaria de todo o género. Tenho uma vasta colecção desse tipo de materiais.


 

Sempre escrevi em diários desde que me lembro.
Sempre adorei escrever e fazer listas. Sempre usei marcadores e cores coloridas quando estudava, porque tenho memória fotográfica e isso ajudava a ter melhores resultados.


Com o passar dos anos, a minha memória tem sofrido um bocado com as noites mal dormidas, próprias de quem é mãe com filhos pequenos e que teimam em acordar 500 vezes durante a noite e tem uma vida stressante e exigente.
Começou a ser necessário recorrer a agendas para apontar coisas que tinha que me lembrar, e coisas e eventos que tinham ocorrido e que eu poderia vir a precisar de saber quando e como tinham acontecido.

Experimentei vários métodos de organização, mas nunca me serviam a 100% e eu acabava por ter que adaptar uma série de coisas à minha realidade.

No início do ano passado comecei a encontrar frequentemente menções ao Bullet Journal. Fiz alguma pesquisa e quando percebi do que se tratava achei que valia a pena experimentar.
Comecei timidamente, e usei apenas para a área profissional, visto que na altura tinha investido numa agenda linda.

Apesar de encontrar inúmeros exemplos bonitos principalmente pelo Instagram, como nunca tive muita queda para o desenho, optei por uma versão minimalista e que servisse as minhas necessidades. Comprei um simples caderno de capa dura com folhas quadriculadas (algo que sempre adorei) e fecho com elástico e umas canetas coloridas.




Não demorei muito a perceber que tinha encontrado finalmente o método que melhor me permitia organizar a minha vida, em todos os seus aspectos!
Principalmente quando comecei a fazer folhas semanais.
Bastava-me abrir  na página da semana para ter o panorama geral do que tinha para fazer, as tarefas que já tinha feito, compromissos que tinha agendados e os que já tinham ocorrido, planear refeições, ter um registo dos meus hábitos e definir objectivos, a nível pessoal, profissional e nos meus hobbies.

Fui experimentando layouts semanais, mensais, diários até. Para ver o que melhor correspondia ao que eu necessitava.
Acabei por chegar à conclusão que os diários não tinham grande utilidade para mim, mas os mensais e os semanais sim.

Também não demorou muito tempo a que eu começasse a querer embelezar o meu bullet journal, dentro das minhas capacidades. Investi em mais umas quantas canetas coloridas (que nunca são demais...) e como sempre gostei de caligrafia bonita, comecei a querer armar-me ao pingalhete e a experimentar o lettering.


Quando o ano de 2016 estava prestes a chegar ao fim, achei que seria melhor começar um novo, para o ano novo. Por isso, peguei no meu bullet journal e corri as folhas todas, vi o que achava que fazia sentido manter e o que devia descartar.
Mais uma vez, fiz uma lista do que queria manter no novo.
Encontrei um caderno de quadrículas pontilhadas na loja Tiger e fiz dele o meu novo bullet journal.
Sei que quando terminar este, vou mesmo investir no icónico caderno Leuchturm 1917, que já vem inclusivamente com algumas páginas dedicadas ao bullet journal ao nível do índice e do future log.



O que me agradou tanto neste sistema?
É flexível, posso adaptar ao que preciso, é totalmente personalizável e anda comigo para todo o lado. E é em papel, mesmo como eu gosto!


Por mais que adore as novas tecnologias, o planeamento e organização da minha agenda e tarefas no dia-a-dia é e sempre será em papel.




8 comentários:

  1. Gosto tanto! Tens imenso jeito para o lettering, está muito giro!
    Ando a namorar este sistema há uns tempos mas tenho receio de me desleixar e ser pior a emenda do que o soneto :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rita, obrigada!

      Independentemente de te vires a desleixar, acho que deves experimentar! Aposto que te vais divertir imenso ;)

      Eliminar
  2. Adorei este post. Identifiquei me muito, cores&papel mas sou também a desorganização em pessoa :)
    Obrigada Naná pelas ideias e fiquei a pensar porque não TENTAR!!!!

    ResponderEliminar
  3. Que inveja!!!!
    Não consigo seguir nenhum tipo de agenda. Já tentei vários durante toda a vida.
    Agora tenho uma grande lista num caderninho que vou acrescentando e riscando. No calendário que fica na cozinha anoto os compromissos que não podem ser esquecidos como médico, dentista, etc e assim me ajeito.
    Gostaria imensamente de conseguir fazer e seguir algo tão bonito mas...
    Beijinhos
    Egléa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Églea, o importante é usar um método que nos sirva da melhor forma, mais bonito ou menos bonito, o que interessa é que nos seja útil :)

      Eliminar
  4. Naná, nem sabes como adorei o teu post. Este ano reciclei um caderno que era da filha e tinha ainda muitas folhas em branco. Personalizei a capa a meu jeito e comecei. Não tem sido tarefa fácil porque começo com grande vontade e depois... Tu tens imenso jeito.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lucília, obrigada!

      O importante é que lhe seja útil e tire disso prazer ;)

      Eliminar